Associação Comercial repudia decreto do Governo do Estado e não garante que abraçará medidas restritivas propostas

Com o aumento de casos de Covid-19 no MS, medidas restritivas para conter o  vírus foram anunciadas na última quarta-feira (10), pelo governador do Estado Reinaldo Azambuja, mas insatisfeitos com as restrições que envolvem os comerciantes a Associação comercial de Três Lagoas emitiu uma nota em repúdio.

Decreto Estadual e o comércio de Três Lagoas

Nesta quarta-feira por volta das 14 horas o governo do Estado publicou o decreto que ampliou as restrições de funcionamento de vários segmentos produtivos em todo o Estado de Mato Grosso do Sul. Confirmando o que já se esperava, o toque de recolher passou a ser das 20:00hs às 5:00 hs.
Em relação à questão e ao impacto da medida no ambiente empresarial a Associação Comercial de Três Lagoas faz as seguintes ponderações:

1Consideramos que o quadro de contaminação do Covid-19 em Três Lagoas é grave e que passamos pelo pior momento do contágio da doença. A gravidade do momento exigiu do empresário local que os cuidados com o cumprimento dos protocolos de biossegurança fossem redobrados. A atenção que os empresários de Três Lagoas tiveram com o cumprimento destes protocolos, até aqui, foi indiscutivelmente reconhecido como uma das principais estratégias que garantiram sucesso na política de enfrentamento ao Covid em Três Lagoas. Enquanto os números da Pandemia se mantiverem sobre relativo controle, a Associação Comercial e Industrial de Três Lagoas encontrará substância para continuar defendendo o comércio funcionando normalmente.

2 Avaliamos que a politica de restrição do horário de funcionamento do comércio assumida pelo Governo do Estado do Mato Grosso do Sul não deverá trazer os resultados esperados em relação ao controle da doença, uma vez que os comerciantes já vinham fazendo a sua parte e que os estudos demonstram a inexpressiva contribuição das operações empresariais no aumento dos números de contaminados. Pelo contrário, ao invés de salvar vidas que seriam consumidas pela contaminação do vírus, a proposta do Governo do Estado sentencia à falência centenas, talvez milhares de empresas.

3 Baseados em pesquisas sobre a forma como acontece o contágio, podemos inferir que o ambiente propício para a proliferação do vírus são as grandes aglomerações e o descompromisso com uso da mascará e da higienização das mãos. Desta forma, entendemos que o que de fato pode trazer resultados é o combate às grandes aglomerações que acontecem em festas clandestinas e reuniões não autorizadas e com protocolos falhos. Diminuir o tempo de funcionamento de atividades comerciais somente aumenta o potencial de aglomeração.
Assim, nos posicionamos a favor do aumento da fiscalização e do combate às aglomerações em festas ou em bares e restaurantes que não cumprem os protocolos. Avaliamos que o papel de fiscalizar do Estado deve preceder a sua vontade de impedir o livre funcionamento de determinados segmentos empresariais.

Baseado em tudo que foi dito aqui, queremos encerrar dizendo que continuaremos defendendo o nosso direito de trabalhar e manter o emprego dos nossos colaboradores, e mesmo repudiando a postura do Gov. do Estado continuaremos incentivando nossos associados a manter a observância dos protocolos de biossegurança em cada um dos nossos negócios. Seguiremos reafirmando a importância de cada uma das mais de 3.500 vidas perdidas no nosso Estado.
Nossa postura até aqui é a prova de que nossa preocupação sempre foi preservar o máximo de vidas. Fizemos nossa parte até aqui, diferentemente do preconizado na política da Secretaria de Estado de Saúde, que pouco contribuiu com ações efetivas de combate à doença e que neste momento não é nada mais que anunciante do medo pra quem está vivo e da incapacidade pra quem perde um familiar para o vírus.
De forma isolada o decreto estadual deve ser responsabilizado por mais de 1200 demissões em Três Lagoas, e por toda a consequência disso na vida das pessoas atingidas.
Estaremos sempre dispostos a contribuir com o combate da Pandemia e para o debate de ações que diminua o sofrimento da nossa população.

Três Lagoas, 11 de março de 2021.
Associação Comercial e Industrial de Três Lagoas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *