MS ganha visibilidade nacional devido grande reserva de madeira

O  gerente de consultoria em Energia e Agroindústria da Pöyry no Brasil, Dominique Duly,  trouxe a afirmação que o Estado do MS não corre risco em sofrer escassez de madeira por apresentar grande reserva abstecida pelas fábricas de celulose, desta forma destacando o nome do Estado neste segmento que contará com mais uma grande fábrica da Suzano que será instalada em Ribas do Rio Pardo.

Segundo ele, o Estado conta com oferta superior a 40 milhões de metros cúbicos de madeira sem casca, e apenas 20 milhões de metros cúbicos são consumidos. Considerando-se as novas fábricas de celulose anunciadas ou planejadas – Paracel em Concepción, no Paraguai; Suzano em Ribas do Rio Pardo; expansão da Eldorado em Três Lagoas; e Euca Energy em Alto Araguaia (MT) -, a demanda adicional de madeira será de 26 milhões de metros cúbicos por ano.

“A oferta atual já seria suficiente para o novo consumo. E é preciso considerar que Paracel e Euca Energy vão usar madeira de Mato Grosso do Sul somente no início da operação”, afirmou Duly em entrevista ao Valor Econômico.

Mato Grosso do Sul é hoje o segundo Estado no Brasil na produção de eucaliptos, com mais de 1,7 milhão de hectares plantados, segundo informações do secretário estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck.

“A implantação da Suzano em Ribas do Rio Pardo vai transformar a região. A nossa quarta indústria de celulose, além de gerar milhares de empregos no período de obra e quando estiver concluída, é o modelo de empreendimento sustentável que estamos fomentando para o nosso Estado, seguindo o conceito de indústria 4.0, com autossuficiência em energia limpa e outras práticas de ESG (índice que avalia as operações das principais empresas conforme os seus impactos em três eixos da sustentabilidade – o Meio Ambiente, o Social e a Governança)”, destacou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *