Audiência do TDAH lota Câmara municipal

Na noite desta terça-feira (17), por meio de uma propositura do vereador Professor Flodoaldo, aconteceu a audiência pública para debater sobre o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), com a psicóloga Liana Garcia Nunes, que apresentou alguns critérios diagnósticos, tratamentos e tirou dúvidas sobre o assunto. A solenidade lotou a Casa de Leis !

Flodoaldo iniciou a audiência explicando o que é TDAH: “um transtorno neurobiológico, de causas genéticas, que aparece na infância e frequentemente acompanha o indivíduo por toda a sua vida. Ele se caracteriza por sintomas de desatenção, inquietude e impulsividade. Ele é chamado às vezes de DDA (Distúrbio do Déficit de Atenção)”.

“Precisamos diagnosticar e nos preparar para atender alunos com TDAH nas nossas escolas”, afirmou o vereador, justificando a importância da audiência e passando a palavra para a psicóloga. Liana iniciou explicando que são dois fatores que caracterizam o transtorno: a desatenção e a hiperatividade. A pessoa pode apresentar uma característica, ou um combinado das duas. Para cada tipo, apresentou alguns critérios de diagnóstico:

DESATENÇÃO: crianças que não olham para você quando você as chama; alunos que esquecem, perdem o material o escolar; pessoas que demoram para sair de casa pois esquecem uma coisa, depois outra e outra; pessoas que param projetos no meio, começam uma brincadeira e param, começam um curso e param; erros por descuidos bobos; cansaço mental; tudo chama a atenção, como borboletas, insetos;

HIPERATIVIDADE: pessoa incapaz de ficar numa fila; criança que sempre sobe em tudo que não pode subir, ou quer fazer tudo que é proibido; pessoas que não param de falar; brincar de “faz de conta” de maneira tranquila; mãos e pés irrequietos;

Liana falou um pouco da combinação de desatenção e hiperatividade e citou prejuízos acadêmicos, ou na vida social destas pessoas: “geralmente, quem tem mais características de desatenção possui mais dificuldade na vida acadêmica e quem tem mais características da hiperatividade possui mais dificuldade na vida social”.

“Enquanto criança pode parecer normal, mas na fase adulta estas características podem virar transtornos psiquiátricos. Por isso, é importante diagnosticar o TDAH e fazer o tratamento corretamente”, defendeu a psicóloga.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *