Médico sem especialização é demitido 11 meses após abertura de CPI

Vereador autor da denúncia de médicos empossado sem especialização afirma que não foi perseguição 

A denuncia feita pelo vereador Davis Martinelli (DEM), feita em setembro de 2019 sobre a posse de médicos sem diplomas de especialização nos cargos assumidos na Saúde de Três Lagoas, teve um novo desfecho na última segunda-feira (24), na qual a prefeitura demitiu o médico que atuava como cardiologia, mas que mesmo depois de recorrer junto à Justiça e enfrentar um processo disciplinar interno acabou perdendo o cargo no começo desta semana, quase que um ano depois do escândalo.

A denuncia tornou-se uma CPI aberta pelos vereadores, e no mesmo mês do ano passado o prefeito acabou exonerando os demais profissionais, mas este em específico recorreu à Justiça que o reconduziu ao cargo, mas diante do Processo disciplinar interno da Prefeitura ele não teve o mesmo sucesso o que acarretou a demissão.  A exoneração foi publicada no Diário Oficial dos Municípios nesta segunda-feira, dia 24 de agosto de 2020.

Segundo o vereador Davis Martinelli, quem denunciou a posse dos médicos que não tinham especialização, e conversou com o Rede News MS.COM.BR, ele não conhece o profissional pessoalmente, reconhece que ele é médico sim, porém não apresentou os documentos da especialização em cardiologia a qual ele exercia.

“Ele é um excelente médico conforme a população relata,  não foi perseguição da minha parte como alguns veículos ventilaram, mas eu como fiscal dos atos do Poder Executivo questionei a forma que foi conduzida a posse, e cabia a Câmara tomar as medidas  necessárias. Agora com a exoneração feita pela prefeitura que abriu um processo interno de investigação sobre o caso e acabou o exonerando, cabe ao médico recorrer da decisão”explicou o vereador Davis.

O vereador recebeu a denuncia e ao apurar foi comprovado e infelizmente o médico não conseguiu comprovar que estava autorizado em praticar. a especialização em cardiologia  Ele é graduado sim, mas sem a especialização necessária.

One thought on “Médico sem especialização é demitido 11 meses após abertura de CPI

  1. No presente caso, não há apenas responsabilidade do profissional médico mas, também, da Secretaria de Administração e do Prefeito, pois a Secretaria é responsável por todo o processo da admissão e, o Prefeito assina as admissões de todo funcionário público. A Secretaria de Administração, como responsável pelo RH da Prefeitura, precisa verificar se o candidato, antes de ser admitido, cumpre todos os requisitos exigidos em lei e, consequentemente, no concurso público, pois todo concurso tem que trazer as obrigatoriedades legais. A pergunta, então, é: que consequências sofrem quem providenciou e quem assinou a admissão?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *