Diretor do documentário “Amor Sertanejo” fala sobre os bastidores desta super produção

“Amor Sertanejo”

Hoje (24), o mundo sertanejo ganha um capítulo importante diante do lançamento do filme “Amor Sertanejo”, que será divulgado nas principais plataformas digitais do país e narra uma trajetória marcada por muita dedicação e amor que marcou a chegada do Sertanejo universitário e a aproximação com outros gêneros e talentos.

Dirigido por jovens cineastas, os diretores premiados: Fabrício Bittar e Raphael Erichsen que mergulharam nos bastidores deste mundo paralelo do sertanejo realizaram um super trabalho que mostra a trajetória que lançou grandes nomes da música contemporânea e arrasta multidões, até os dias de hoje.

O filme com 77´ traz dentre os convidados do filme nomes consagrados no gênero como: Chitãozinho & Xororó,Fernando & Sorocaba, João Bosco & Vinícius,Luan Santana, Michel Teló, Maiara & Maraísa, Naiara Azevedo e Matheus & Kauan, dentre outros.

Esta produção homenageia a história da música sertaneja e conta a sua trajetória com a cronologia do gênero, desde o seu início com a música caipira, vinda de belas canções de amor nas vozes de nomes clássicos como Chitãozinho & Xororó e muitos outros sertanejos chegando nos anos 2000 com o explosivo gênero universitário que desaguou no show business e que arrecada muitos milhões até os dias de hoje.

Os fãs poderão comprar o filme produzido pela“Clube Filmes”, nas plataformas: Now, iTunes, Google Play, Vivo Play, a partir da desta sexta-feira (24) de abril.

Todos  verão o gênero “universitário”, que reinventou o sertanejo, sem nunca deixar sua raiz e o filme narra esta explosão, sem deixar de fora o espaço aberto para as mulheres que também expuseram seus dotes e ganharam mais voz. “Amor Sertanejo” também revela a capacidade das diversas parcerias e gêneros que acabaram abraçados pelo mundo sertanejo.

O elenco desta produção já revela a qualidade do filme, que conta com propriedade as histórias que revelam esta importante trajetória. Dentre os músicos, produtores e críticos da música brasileira que contam suas experiências estão grandes nomes do sertanejo.

CONFIRA O PING PONG ESPECIAL PARA O REDE NEWS MS COM O DIRETOR: 

FABRÍCIO BITTAR

Como surgiu a ideia de fazer um filme a respeito dos bastidores do mundo sertanejo?

FABRÍCIO BITTAR – A ideia surgiu da nossa curiosidade! Queríamos entender o que levou o Sertanejo a se tornar o ritmo mais popular, profissional e lucrativo do Brasil. A nossa intenção com o documentário foi buscar depoimentos do máximo de pessoas que trabalham nesse mercado para entender os principais mecanismos e características que transformaram o Sertanejo nesse fenômeno.

Você já havia feito algum filme com o Raphael Erichsen? Como foi esta experiência?

FABRÍCIO BITTAR – O Raphael é um grande parceiro da Clube Filmes. A gente tinha feito alguns projetos publicitários, mas esse foi o primeiro documentário que fizemos juntos. O Raphael é um grande documentarista, fez filmes incríveis e me ajudou muito a pensar e construir a melhor forma de contar essa história.

Como foi feita a seleção dos artistas que aparecem no “Amor Sertanejo”?

FABRÍCIO BITTAR – Na verdade, tentamos falar com todo mundo. Infelizmente, a agenda dos artistas é muito lotada. Muitos deles fazem 3, 4 shows por dia e a negociação para os depoimentos foi uma parte difícil do trabalho. Então, acabamos colocando no documentário aqueles que conseguimos falar. Mas no final, acho que tivemos uma seleção que representa muito bem o Sertanejo em todas as suas épocas.

Qual foi a maior descoberta que você percebeu durante as gravações e você quis transmitir aos amantes deste gênero?

FABRÍCIO BITTAR – Acho que o mais interessante é perceber que não existe uma receita para o sucesso. Mesmo com muito dinheiro envolvido, investimento em músicas, publicidade, jabas, ninguém tem certeza do sucesso. Depende muito do carisma e talento do artista.

Qual participação do filme te surpreendeu, seja com história de vida, sucesso, talento o que for?

FABRÍCIO BITTAR – Todos os entrevistados foram incríveis. Dos mais conhecidos aos que estavam começando.
Gosto de todas as histórias.

O porquê da escolha do filme estrear nas plataformas digitais?

FABRÍCIO BITTAR – A gente acredita que o documentário funciona muito bem nas plataformas digitais. É um tipo de filme que você pode ver com calma, repetir as músicas favoritas. Acho que as pessoas vão aproveitar muito o conteúdo nas suas casas.

Existe algum novo trabalho que estava em andamento previsto para estréia em 2020?

FABRÍCIO BITTAR – Estamos trabalhando no desenvolvimento de vários trabalhos. No momento, estamos em pré-produção de um documentário sobre e-Sports e um filme de ficção baseado no Sítio do Picapau Amarelo.

 

Conheça a biografia dos diretores deste documentário.

Fabrício Bittar:

Com uma vasta experiência no mundo da TV. Fabrício Bittar trabalha com audiovisual desde 2006, produzindo e dirigindo filmes publicitários, programas de TV, filmes e videoclipes. O seu primeiro curta-metragemPrimeira Vez (2006), ganhou o prêmio de Melhor Curta-metragem Brasileiro pelo Júri Popular da 30ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo e o Prêmio Especial do Júri no 15º Gramado Cine e Vídeo, além de participar de muitos outros festivais no Brasil e no mundo.

Dirigiu e produziu o clipe da música “Nem Fé Nem Santo” da cantora Mallu Magalhães, indicado ao VMB 2011 de melhor videoclipe.Coordenou e dirigiu projetos especiais de publicidade para a MTV Brasil, incluindo o média-metragem “Friends Forever, O Filme” e as 2 temporadas da série “Entre Teens”. Dirigiu cinco temporadas do programa MTV Sports e foi responsável pela criação e direção de 2 programas do Verão MTV 2013, responsáveis por um aumento de 86% na audiência do canal.Em 2014, criou, produziu e dirigiu a série “Politicamente Incorreto” para o canal FX, maior audiência da história do canal no Brasil e indicado para o prêmio APCA.Em 2017, lançou o seu primeiro longa-metragem, “Como se tornar o pior aluno da escola” numa coprodução com Warner Bros, Paris Filmes e Telecine. O filme ficou entre as 10 maiores bilheterias nacionais de 2017 com mais de meio milhão de ingressos vendidos.Em 2018, lançou o longa-metragem “Os Exterminadores do Além contra a loira do banheiro” em coprodução com a Warner Bros e distribuição da Galeria Filmes. Em 2019, foi diretor geral da segunda temporada da série infantil “Bugados” para o canal Gloob e ainda dirigiu a série “Exterminadores do Além” para o Warner Channel.

 

 

Raphael Erichsen

 

Premiado cineasta, já dirigiu mais de 500 filmes para internet entre documentários, web-série, publicidade e animações somando mais de 20 milhões de views. Multifacetado Raphael Erichsen é documentarista, roteirista e autor brasileiro já reconhecido. Como diretor carrega em sua bagagem profissional longas e curtas metragens, séries para a TV, animações e publicidade. O seu filme “Ilegal – A Vida Não Espera” foi eleito pelo UOL como melhor documentário de 2014 e ganhou o prêmio Sesc de Melhor Filme na categoria documentário. Com “Radical: a controversa saga de Dadá Figueiredo” conquistou o prêmio de melhor filme estrangeiro no festival NYIFF e no festival de esportes radicais MIMPI. O documentário “SuperstonicSound” participou de mais de 40 festivais em todo mundo sendo veiculado em mais de 30 canais e foi destaque no ICA (Instituto de Arte Contemporânea de Londres).Dirigiu a série Rally Mongol para o canal Multishow, uma jornada terrestre da Inglaterra até a Mongólia apontada como a aventura mais estúpida da terra. Dessa aventura saiu o livro “Tudo Errado” lançado em 2017.

Trabalhou como assistente de direção do britânico JulienTemple no filme Rio 50º produzido pela BBC. Raphael é pós-graduado em filmes documentais pela ECIB (Escuela de Cine de Barcelona) e cursou o filmmakers diploma pelo RaindanceAcademy. É mentor da Escola de Jornalismo Énois desde 2013 e fez palestras e debates em lugares como Rede Globo, Abraji, NxNe, Auditório do Ibirapuera entre outros.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *